EUA PÓS-CRISTÃO – Escola cede a pressão e retira imagem de Jesus de parede

Uma escola de ensino médio do estado do Kansas (EUA) cedeu à pressão de um grupo civil e retirou uma imagem de Jesus de uma de suas paredes.

Escola cede a pressão e retira imagem de Jesus de paredeEscola cede a pressão e retira imagem de Jesus de parede | Divulgação/Freedom From Religion Foundation

A Royster Middle School, localizada na cidade de Chanute, exibia o quadro com a imagem de Jesus desde os anos 1950, de acordo com a agência Reuters. O retrato “Cabeça de Cristo” é assinado pelo artista Warner Sallman.

Mas o retrato incomodava a Freedom From Religion Foundation, que argumentava que a exibição violava a liberdade religiosa, já que privilegiava apenas uma fé. O grupo ameaçou levar o caso à Justiça, e a escola decidiu retirar a imagem.

“Procuramos aconselhamento legal e nos disseram que , tanto pela lei estadual, quanto pela lei federal, teríamos que remover”, explicou Richard Proffitt, superintendente da escola.

A decisão, entretanto, não agradou a muitos alunos, pais de alunos e moradores de Chanute. Várias queixas foram postadas na página da escola no Facebook. Muitos atribuíram a remoção da imagem de Jesus a “forasteiros”.

Segundo o jornal “Wichita Eagle”, Chanute tem uma comunidade bastante religiosa. Trinta igrejas atendem os 9.200 moradores. Um ex-aluno da Royster disse que “apenas um ou dois alunos não religiosos” estavam na escola quando ele estudava lá, mas ele não apreciam se importar com a imagem”.

“Acho que o fato de Jesus estar lá não ofende ninguém”, acrescentou Cody Busby, de 22 anos.

Fonte O Globo/Page not found: http://blogs.oglobo.globo.com/pagenotfound/post/escola-cede-pressao-e-retira-imagem-de-jesus-de-parede.html

HIPÓCRITRAIDOR – Defensor da família estava no site de adultério Ashley Madison

“Sou o maior hipócrita de sempre”, afirmou o conservador norte-americano Josh Duggar, após ter sido descoberto que enquanto foi lobista para o Family Research Council viveu uma vida secreta que inclui, pelo menos, quatro contas pagas no site de encontros extraconjugais Ashley Madison. Antes, tinham sido revelados abusos deste homem a quatro das suas irmãs.

Saina mais
>>> 37 MILHÔES DE PROSTITUTRAIDORES MALAMADOS EM PÂNICO – Usuários de site de adultério são expostos por hackers
>>> Vazam na rede 10 GB de dados vindos do site de traição Ashley Madison
>>> O vazamento de dados pessoais do Ashley Madison é apenas o começo
>>> Portugueses estão no site Ashley Madison, a maioria do Norte do país
>>> Hipócritraidor – Defensor da família estava no Ashley Madison
>>> Verifique se sua conta do Ashley Madison está na lista vazada por hackers

Josh Duggar juntou-se ao Family Research Council – um grupo conservador norte-americano que defende os “valores tradicionais da família” -, com sede em Washington, em 2013. Agora, diz que nos últimos anos se tornou viciado em pornografia e que isso o levou a trair a sua mulher, Anna Duggar, que recentemente foi mãe pela quarta vez. O ativista já abdicou do seu lugar naquele grupo de pressão e a sua companheira já afirmou que não o irá deixar.

Estas revelações de adultério surgem após o ataque informático ao site Ashley Madison, cujo slogan é: “A vida é curta, curta um caso.” A página em causa conta com 37 milhões de utilizadores, dos quais 120 mil são portugueses.

Duggar fazia parte de um reality show, o 19 Kids and Counting, até este ser cancelado, em julho, quando foi revelado que teria molestado pelo menos cinco raparigas, incluindo quatro das suas irmãs mais novas, enquanto adolescente.

Fonte Correio da Manhã: http://www.cmjornal.xl.pt/mundo/detalhe/defensor_dos_valores_familiares_admite_adulterio.html

Projeto de lei que propõe multa a quem satirizar religiões é suspenso na Alerj

O polêmico projeto de lei que multa em até R$ 270 mil quem fizer piadas com qualquer religião recebeu parecer contrário de todas as comissões da Assembleia Legislativa do Rio (Alerj) ontem e, por isso, foi retirado de pauta. Porém, o texto, que circula com regime de urgência na Casa, não foi arquivado. Ele será analisado pela procuradoria da Casa, que vai decidir, em cinco dias úteis, se voltará a ser votado ou não. Os deputados apresentaram pelo menos 45 emendas de alterações na proposição. (Foto: deputado Marcelo Freixo)

Leia mais:

Projeto prevê multa de R$ 270 mil a quem fizer sátiras a religiões no Rio

Alerj vota projeto de lei que censura piadas religiosas

O deputado Marcelo Freixo (Psol) foi contrário à decisão de não arquivar automaticamente o projeto. “Quando um projeto recebe pareceres contrários das comissões, ele deve ser arquivado. Não tem discussão. Essa proposta é uma das mais equivocadas que eu já vi”, disse. Além do autor do projeto, Fábio Silva (PR), apenas dois deputados se manifestaram favoráveis à aprovação no plenário: Edson Albertassi (PMDB) e Rogério Lisboa (PR).

“Toda vez que um projeto envolve o movimento LGBT acontece isso. Só que dessa vez foi muito pior”, disse Fábio Silva, que é filho de pastor e justifica o projeto para impedir encenações como a ocorrida durante protesto em São Paulo em que um transexual foi crucificado. Silva também afirmou que, caso a procuradoria arquive o projeto, entrará com recurso e vai acionar até a Justiça. (Foto Banco de imagens / Agência O DIA: Em 1989, a Justiça proibiu a imagem do Cristo no desfile da Beija-Flor)

Nesta quarta-feira, um movimento da ONG Meu Rio, organizado pelo ator Gregório Duvivier, do canal ‘Porta dos Fundos’, recolheu mais de 5 mil assinaturas contra o projeto. A corrente online, feita no blog ‘Na Pressão’, dispara e-mails para todos os deputados a cada adesão. Para Gregório, o projeto tem o intuito de tornar ainda mais promíscua a relação entre Igreja e Estado. “O que deveria se discutir era o fim dos privilégios das igrejas, e não o aumento deles. Quero que se discuta a tributação das igrejas. É fundamental que as igrejas sejam tratadas com o mesmo respeito destinado a qualquer pessoa ou empresa. Afinal de contas, o Estado é laico. Ou não é?”, indagou.

Fonte O Dia: http://odia.ig.com.br/noticia/rio-de-janeiro/2015-08-19/alerj-suspende-projeto-de-lei-que-propoe-multa-a-quem-satirizar-religioes.html

ORIGENS À LA CIÊNCIA – Cientistas “demonstram” em laboratório papel dos cometas na origem da vida

O cometa 67P/Churiumov-Guerasimenko, em foto tirada pela sonda Rosetta. (Foto: AFP)

O impacto dos cometas que atingiram a Terra há 4 bilhões de anos pode ter tido um papel no surgimento da vida na Terra, afirma um grupo de cientistas japoneses, que tentou reproduzir esta “fórmula” em laboratório. (Foto:AFP: O cometa 67P/Churiumov-Guerasimenko, em foto tirada pela sonda Rosetta)

Os cientistas, que apresentam nesta quarta-feira os resultados de sua pesquisa na conferência de geoquímica Goldschmidt2015, em Praga, compilaram uma lista de substâncias para reproduzir a reação em laboratório.

Os cientistas misturaram aminoácidos, gelo e substâncias silicatadas a temperaturas de 196 Celsius negativos, uma mistura presente nos cometas, como constataram as últimas missões espaciais.

Depois, os cientistas adicionaram um gás propulsor para simular o efeito de uma colisão do cometa com a Terra, o que fez alguns aminoácidos se transformarem em peptídeos de cadeia curta, moléculas complexas frequentemente consideradas fundamentais para o desenvolvimento da vida.

“Nossas experiências mostram que o frio existente nos cometas teve um impacto chave nesta síntese”, destacou, em um comunicado, Haruna Sugahara, da Agência Japonesa para a Ciência.

“A produção de peptídeos de cadeia curta é uma etapa chave na evolução química das moléculas. Uma vez iniciado o processo, se requer muito menos energia para formar as cadeias de peptídeos mais longas em um ambiente terrestre e aquático”, acrescentou o comunicado.

O cientista destacou que os impactos dos cometas, que costumam estar associados a eventos de extinção em massa, provavelmente também deram um empurrãozinho na formação da vida.

Um processo similar pode ter sido produzido em outros locais do cosmos.

Os resultados da pesquisa de Haruna Sugahara e Koichi Mimura, da Universidade de Nagoia, ainda não foram publicados, mas segundo Mark Burchell, da Universidade de Kent, “constituem um aporte significativo ao estudo sobre a origem das moléculas complexas no universo”.

A missão da sonda europeia Rosetta, que acompanhou o cometa 67P/Churiumov-Guerasimenko, confirmou que o corpo celeste era rico em matéria orgânica.

Fonte Yahoo: https://br.noticias.yahoo.com/cientistas-demonstram-laborat%C3%B3rio-papel-dos-cometas-origem-vida-002505535–finance.html?linkId=16403784

É ERRADO COM OU SEM OPINIÃO DE CANTORA FAMOSA – Aline Barros diz na TV que homossexualismo é pecado: “Eles sabem disso”

Aline Barros virou notícia na última semana por conta de uma declaração dada ao programa TV Fama, da Rede TV!, onde a cantora afirmou que os gays sabem que, diante da Bíblia, a prática homossexual é pecado.

SAIBA MAIS
>>> ROLO COMPRESSOR GAY – Breves fatos sobre a mídia pró-homossexualismo

“Quero mandar um abraço a todos eles. Dizer que nós amávamos a vida deles. Não concordamos. A Palavra de Deus nos ensina isso. Existem algumas atitudes que nós aprendemos que não vão trazer frutos para nossa vida, não vão edificar, é errado”, disse.

A cantora tomou cuidado para usar as palavras, mas não deixou de reafirmar a sua fé. “É pecado mesmo, e eles sabem, não precisa eu falar não”, disse Aline dizendo também que ama cada um dos homossexuais, principalmente aqueles que acompanham seu ministério.

“Tá na Bíblia [que é pecado]. É só você ler Romanos, capítulo 1. Mas nós amamos a vida deles. Eu oro. Muitos deles admiram meu trabalho, admiram minha vida e aquilo que eu faço”, continuo.

A cantora também afirmou que sempre que pode conversa com eles e evangeliza. “Toda vez que posso, a gente fala, a gente prega, evangeliza, ministra sim sobre eles o amor de Jesus, que é a coisa mais preciosa desse mundo, gente. É um amor que abraça, que transforma, que com certeza faz a nossa vida mudar por completo”.

A entrevista não tinha esse tema como objetivo, Aline estava com a filha Maria Catherine em um espetáculo infantil no Rio de Janeiro. A repórter fez algumas perguntas sobre a vida e carreira da cantora e em seguida questionou sobre o homossexualismo dando destaque no programa para o que Aline diz sobre “ser pecado”.

A mudança de tema da entrevista deixou a cantora evangélica desnorteada, mas sabiamente ela conseguiu responder a pergunta sem ofender quem não acredita na Bíblia.

Aline ainda conseguiu reverter e mandar um recado para todos que estavam assistindo ao programa, incentivando-os a seguir em frente mesmo diante das crises.

Fonte Gospel Prime: http://musica.gospelprime.com.br/aline-barros-tv-homossexualismo-pecado/

RELIGIÃO FAZ BEM À SAÚDE – Pesquisa mostra que ter fé em Deus e praticar uma religião pode ser mais importante à saúde física e mental do que se imagina

Ter fé em Deus e praticar uma religião pode ser mais importante à saúde física e mental do que se imagina. Mais do que ter dinheiro ou realizar-se profissionalmente.

Pelo menos é isso o que releva uma pesquisa independente realizada em diversos países pela Escola de Negócios e Ciências Políticas de Londres, Inglaterra.

O estudo que durou quatro anos e envolveu 9 mil europeus acima dos 50 anos, apontou que mais de 90% dos entrevistados consideraram a vivência religiosa como o hábito mais saudável para o físico e a mente. E ainda, que ir à missa, por exemplo, é mais saudável que fazer exercício físico.

No Brasil, não se tem conhecimento de pesquisa similar. Entretanto, é certo que boa parte dos brasileiros se apega à religião para enfrentar as agruras, doenças, preencher vazios deixados por perdas de entes queridos, buscar respostas aos próprios questionamentos e insatisfações – ou simplesmente agradecer pelo dom da vida.

Síria da Silva Santana, 56 anos, passa mais tempo na igreja do que na própria casa. Depois de trabalhar por 33 anos como faxineira em escolas públicas, atividade da qual se aposentou, ela sabe que não precisaria sair da cama cedo, antes das 6hs, tampouco viajar por duas horas em ônibus lotados para chegar até o templo onde faz as orações e trabalha como voluntária.

Todavia, diariamente, de segunda à sexta-feira, ela sai de casa, no bairro Asa Bela, em Várzea Grande, para frequentar uma igreja (Senhor dos Passos) no centro de Cuiabá, a quase 20 quilômetros de distância.

Duas vezes na semana ela trabalha na cozinha da igreja, preparando e servindo refeições para moradores de rua. Os outros três dias passa limpando o chão, cuidando das imagens e outros utensílios e preparando o ambiente para as missas.

No retorna para a casa, no final do dia, muitas vezes vai direto para casas de famílias fazer o cenáculo de orações. “Quando chego em casa já passam das 9hs (21hs)”, conta.

É assim que Síria se sente bem, forte e em paz consigo mesma. Com a mente em equilíbrio e com saúde e vigor físico, pronta para repetir a mesma jornada no dia seguinte.

Casada há 28 anos com Valdevino Santana, mãe de dois filhos, Manoel, 26, e Andreza, 24, Síria conta que todos da família estão de acordo com a vivência religiosa dela. E até participam dos atos religiosos, não na mesma intensidade que a matriarca.

O marido, garante, a apoia. “Temos um acordo sobre a divisão dos afazeres domésticos que inclui, por exemplo, que quem chega primeiro prepara o jantar”, conta.

Desde a adolescência ela gostava de ir à igreja e sabia que a religião lhe fazia bem, despertando sentimentos de paz, amor e solidariedade em relação ao próximo. Síria carrega consigo algumas convicções sobre a relação de Jesus Cristo com as pessoas. “Ele nos testa, testa nossa fé e o dom de servir ao próximo”, diz.

Um dos testes, analisa, seria alguém batendo à sua porta pedindo um prato de comida. Esse ato é visto por ela como um sinal da presença divina, de Jesus verificando até onde vai seu amor ao próximo e está disposta a praticar a fé, o que prega a religião.

Respeitar e servir quem precisa, assim como praticar e divulgar a fé, avalia, não são manifestações de temor, mas modos de atender um desejo de Deus. “Não sou nada, ninguém, sem minha religião, sem Jesus”, completa.  (ALECY ALVES Da Reportagem – Diário de Cuiabá – Edição nº 14275 16/08/2015)

Fonte Diário de Cuiabá: http://www.diariodecuiaba.com.br/detalhe.php?cod=477016

‘ATÉLOGO-EGEZETA’ DESQUALIFICA O APÓSTOLO PAULO AO COMPARÁ-LO COM O SENHOR JESUS

É importante para você saber isto também, Timóteo, que nos últimos dias vai ser muito difícil ser cristão. Porque as pessoas só amarão a si mesmas e ao dinheiro; serão orgulhosas e fanfarronas, zombarão de Deus, desobedecendo aos pais, sendo ingratas com eles e completamente más. Serão duras de coração e nunca se submeterão aos outros; serão sempre mentirosas e desordeiras, e não se incomodarão com a imoralidade. Serão rudes e cruéis, e escarnecerão daqueles que procuram ser bons. Atraiçoarão seus amigos; serão irascíveis, inchadas de orgulho, e preferirão divertir-se a adorar a Deus. Irão à igreja, sim, porém não acreditarão realmente em nada do que ouvem. Não se deixe enganar por gente assim”, 2 Timóteo 3.1-5 – Bíblia Viva

FEMINISTA-ABORTEIRA NA FACU EVANGÉLICA – Nenhuma instituição que se confessa cristã é obrigada a contratar militantes feministas defensoras do assassinato legal de bebês em gestação

constr

A liberalização do aborto no Brasil foi discutida numa audiência no Senado Federal em 6 de agosto de 2015. Entre os debatedores estavam feministas pró-aborto. A grande surpresa foi que o Senado fez a apresentação de uma delas como “Márcia Tiburi, professora de pós-graduação da Universidade Presbiteriana Mackenzie.” O Mackenzie é a instituição educacional calvinista mais elevada do Brasil.

A fala pró-aborto de Márcia, gravada pela TV Senado, começou dizendo que por onde viaja pelo Brasil todo em seu ativismo pró-aborto ela leva o nome Mackenzie com ela, frisando que ela não é a única no Mackenzie que é a favor do aborto. Para assistir à gravação da TV Senado, confira abaixo:

Na audiência, a professora do Mackenzie disse: “Vociferar contra o aborto é apenas um modo biopolítico de controlar a vida das mulheres… e sobretudo de angariar adeptos para causas autoritárias… O que se ganha e quem ganha com isso? Sacerdotes da fala antiabortista promovem o discurso com que se convencem as massas ignaras. Em um país de pessoas analfabetas, inclusive as mulheres, e de corrupção desmedida em termos morais, estão garantidos os votos, o dízimo e o consumo em geral. A legalização do aborto é portanto parte fundamental de um processo democrático socialmente responsável.”

Segundo o currículo dela, ela está ligada oficialmente ao Mackenzie desde 2008. Sua especialidade é dar aulas de filosofia e ética. Mas as palavras que ela vociferou contra a vida dos bebês em gestação no Senado demonstram exatamente o contrário: uma total falta de ética. Qualquer filosofia que despreza a vida mais inocente é um desprezo à própria ética.

Márcia, que em seu ativismo feminista pró-aborto é louvada até mesmo pelo Partido Comunista do Brasil, expõe sua falta de ética desde antes de 2008. Antes de se tornar professora do Mackenzie, ela defendeu o aborto no site oficial do Partido Comunista do Brasil. Se o contratante (Mackenzie-IPB) tivesse tido o cuidado de fazer uma averiguação básica, teria facilmente constatado, até mesmo por uma simples busca no Google, que estava contratando não uma simples e inocente professora, mas uma ativista radical sedenta do derramamento legal de sangue inocente.

Como, nesses 7 anos em que Márcia está no Mackenzie, não houve nenhum problema e escândalo? A contratada está diretamente ligada ao movimento de militância pró-aborto. O contratante está diretamente ligado à Igreja Presbiteriana do Brasil (IPB).

A mera presença de Márcia como professora numa universidade evangélica é vitória para os abortistas e derrota para os evangélicos, que deveriam evangelizar, não contratar, propagandistas de assassinatos de bebês.

Quando Márcia escolheu como designação no Senado “professora do Mackenzie,” fatalmente comprometeu a instituição, que, por ser abertamente confessional (Universidade PRESBITERIANA Mackenzie), escolheu contratar uma professora que é militante feminista pró-aborto. O caso não é que ela merece ser demitida do Mackenzie. Ela nunca mereceu ser contratada.

A culpa não é dos contratados. É dos contratantes que escolhem muito mal seus candidatos de emprego. Se Silas Malafaia ou um televangelista neopentecostal tivesse cometido o erro de contratar uma ativista feminista pró-aborto para uma de suas instituições confessionais, é certeza que os auto-proclamados apologetas calvinistas (“defensores da fé” e da “Sola Theologia”) estariam matando a pauladas os condenados e mandando-os para os quintos dos infernos.

No caso do Mackenzie e sua professora abortista, todos os apologetas calvinistas estão envoltos num silêncio sepulcral, como se tivessem sob juramentos monásticos de nunca fazer cobranças da universidade presbiteriana. Nesse escândalo, nenhuma abortista, ou quem a contratou, vai ser “queimado” na fogueira da Santa Inquisição Calvinista. Se fosse Malafaia, ele já teria virado cinzas na estaca de condenação.

Apesar disso, o Mackenzie divulgou no mesmo dia uma nota oficial que declara:

06/08/2015 Chancelaria Reitoria

Em 6 de agosto de 2015, o reitor da Universidade Presbiteriana Mackenzie emitiu uma nota lida na Comissão de Direitos Humanos do Senado pelo deputado Leonardo Quintão aos participantes do debate cujo tema versava sobre o aborto. Abaixo, a íntegra do texto:

Exmo. Deputado Leonardo Quintão,

A Universidade Presbiteriana Mackenzie, com base em seus princípios e valores, repudia qualquer ato de atentado à vida e afirma que as posições expostas por seus professores são fruto da liberdade de expressão inerente ao ser humano e à vida intelectual. Por isso, reafirma a posição de sua entidade mantenedora, a Igreja Presbiteriana do Brasil, que repudia tanto a legalização do aborto, com exceção do aborto terapêutico, quando não há outro meio de salvar a vida da gestante, quanto o uso de anticoncepcionais abortivos.

Benedito Guimarães Aguiar Neto

Reitor da Universidade Presbiteriana Mackenzie

É evidente que o Mackenzie não tem culpa pelas posturas desequilibradas de seus professores. Mas uma instituição que se confessa evangélica não pode fazer uma triagem e contratar apenas professores moralmente hábeis e de acordo com princípios cristãos e éticos básicos? Está havendo tanta escassez de candidatos calvinistas competentes para cargos na instituição calvinista que foi necessário contratar uma promotora de assassinatos de bebês? Por que o Mackenzie não escolheu um calvinista pró-família? Não há, em toda a IPB, nenhum calvinista que possa, no lugar da abortista, dar aula de filosofia e ética no Mackenzie?

E agora o Mackenzie quer se desvincular da ativista contratada apelando, num aceno cinicamente democrático, para a defesa de um suposto “fruto da liberdade de expressão”?

Nesse ponto, estou chocado! Defesa do aborto é “liberdade de expressão”? E a defesa do Holocausto?

E a defesa do nazismo? E defesa da Inquisição Católica, que massacrou milhares de judeus e protestantes? Falta de ética é “liberdade de expressão”?

E se no lugar da professora abortista, o Mackenzie tivesse um Julio Severo que, na sua vida fora do Mackenzie, expressasse opiniões contra a heresia cessacionista, a Teologia da Missão Integral e a maçonaria? O Mackenzie defenderia então que as posturas de Julio Severo são “fruto da liberdade de expressão,” sem maiores traumas?

A nota do reitor do Mackenzie deixou claro que a Igreja Presbiteriana do Brasil “repudia a legalização do aborto, com exceção do aborto terapêutico.” Ele teve de citar a Igreja Presbiteriana do Brasil (IPB), pois a Universidade Presbiteriana Mackenzie está subordinada à IPB — tornando, de certa forma, a abortista Márcia estranhamente ligada à IPB.

Mas por que a IPB também não repudia o chamado aborto terapêutico? O Dr. Brian Clowes, em sua obra volumosa “The Facts of Life” (Os Fatos da Vida), diz:

Aborto terapêutico: A atual literatura médica iguala “aborto legal” com “aborto terapêutico.” A definição da palavra “terapêutico,” porém, significa “tratamento de doença.” O uso de “terapêutico” é outra tentativa pró-aborto de sanear um ato repugnante, e também sugere que a gravidez é uma doença — uma declaração que muitos abortista fazem diretamente.

O Dr. Roy Heffernan da Escola de Medicina da Universidade Tufts disse que “Qualquer um que realize um aborto terapêutico ignora os métodos médicos modernos ou não quer gastar tempo e esforço para aplicá-los.”

Se o Mackenzie estiver de fato tão cheio de ativistas de mentalidade semelhante à mentalidade de Márcia Tiburi, conforme ela mesma alegou no Senado, vou receber uma enxurrada de vaias e resmungos deles. E talvez até processos. Mal posso esperar as manchetes: “Professores Pró-Aborto da Universidade Presbiteriana Mackenzie Processam Ativista Pró-Vida Julio Severo!”

Seja como for, nenhuma instituição que se confessa cristã é obrigada a contratar militantes feministas cuja falta de ética as leve a defender o massacre legal de bebês em gestação. Se o fizerem, têm de arcar com as consequências do mau testemunho cristão.

***

Fonte Púlpito Cristão: http://www.pulpitocristao.com/2015/08/mackenzie-e-sua-professora-abortista.html

É PRECISO IR ALÉM DA CONTEMPLAÇÃO DA CRIAÇÃO E MIRAR O CRIADOR – O sentimento de insignificância frente ao universo faz de você um ser humano melhor

 (Foto: Kris Williams | flickr | creative commons)

Olhar para um céu repleto de estrelas definitivamente mexe com a gente. É quase inevitável sentir-se pequeno, às vezes até insignificante, quando pensamos nas dimensões do cosmos. Afinal, em comparação com a Terra, somos cada um de nós um mero ponto; frente ao Sol, é a Terra quem vira um ponto; na escala da Via Láctea, o Sol é só mais um entre bilhões de pontos. E isso não para nunca: nossa galáxia é um minúsculo ponto diante do tamanho do universo, e até o próprio cosmos, que para nós parece ser infinito, pode tranquilamente ser apenas mais um em meio a incontáveis universos. Mais uma vez, nada além de um ponto.

Os céus anunciam ao mundo a glória de Deus. Eles são uma prova fantástica da capacidade de criação de Deus, Davi em Salmos 19

Às vezes você se pega pensando nessas questões e em como a realidade consegue, ao mesmo tempo, ser maravilhosa e um pouco atemorizante? Então você é um ser humano melhor do que aqueles que não sentem este misto de deslumbramento e temor, que em inglês recebe o nome de awe. Uma pessoa que é tomada pelo sentimento com frequência torna-se mais educada, generosa e disposta a ajudar os outros. É o que afirma uma pesquisa publicada recentemente em um periódico da  American Psychological Association. “Nossa investigação indica que o sentimento, embora muitas vezes efêmero e difícil de descrever, possui uma função social vital”, disse o líder do estudo, o professor de psicologia Paul Piff, em um comunicado.

Desde os primeiros tempos os homens viram a terra, o céu e tudo quanto Deus fez, tendo conhecido sua existência e seu grande e eterno poder. Assim, eles não terão desculpa alguma (quando estiverem diante de Deus no Dia do Juízo), Paulo, em Romanos 1.20

O pesquisador da Universidade da Califórnia Berkeley explica que, ao diminuir a ênfase do indivíduo no próprio ego, a sensação de awe encoraja as pessoas a abrir mão do interesse próprio em nome do bem estar dos outros. Piff e sua equipe chegaram às conclusões depois de submeter voluntários a diversas imagens de natureza e do planeta Terra e, em seguida, fazer perguntas que medissem o comportamento ético e a generosidade dos participantes. Os pesquisadores notaram que aqueles que disseram sentir deslumbramento e temor eram mais éticos do que os que sentiram orgulho. E segundo Piff, parece que essa sensação positiva tem uma tendência a se espalhar naturalmente pela sociedade. “Quando as pessoas vivenciam o awe, elas realmente querem compartilhar aquela experiência com outras pessoas, sugerindo que o sentimento tem um componente particularmente viral.”

Fonte Revista Galileu: http://revistagalileu.globo.com/Sociedade/Comportamento/noticia/2015/08/o-sentimento-de-insignificancia-frente-ao-universo-faz-de-voce-um-ser-humano-melhor.html