Até que a morte os separe ou até que o divórcio mate um dos dois ou os dois


A REVELAÇÃO está acima da Razão e da Tradição. É incerta a situação além-túmulo dos conhecedores da Verdade e divorciadores profissionais, oportunistas ou sem motivo aceitável aos preceitos divinos. Em Mateus 19 Jesus pega a Razão e a Tradição moderna e confronta com a Revelação trazendo Adão e Eva para nosso hoje decretando: Vocês podem arranjar mil motivos (além do adultério e a morte do cônjuge) para trocar de esposa/marido o quanto quiserem. Moisés fez aquele arranjo (a carta) devido à dureza de seus corações para proteger a coitada que era descartada como objeto, mas NO PRINCÍPIO NÃO FOI ASSIM.

Ou seja: Eu, maior que Moisés e sua tradição lamento informar que todos vocês descartadores de esposas estão perdidos eternamente! A única saída é vocês se descasarem de todas as ‘filiais’, reatarem com a matriz ou, se isso for impossível, viverem castos até o arrebatamento!

Qualquer desculpa para a separação de um casal que esteja fora das ressalvas do Senhor Jesus é pretexto para agradar a si mesmo e não a Deus e a Sua Vontade Perfeita, Boa e Santa. Poucos querem ouvir a Verdade dura, mas ela precisa ser dita.

Espero que todos os irmãos que tiverem oportunidade para ministrar a respeito não devem se acovardar por que o assunto é “espinhoso”, “melindroso”, “irmão fulano, doutor ciclano pode não gostar”, “posso ter problemas se disser o que a Bíblia revela sobre o tema”.

Olha, os tímidos ficarão de fora, justamente por serem covardes ante a Verdade: O maninho descasou sem motivo previsto por Deus? Ou volte para seu cônjuge até que a morte os separe ou viva celibatário até o arrebatamento!

José San Martín Camiña Neto, editor

Antiga novela mostra o significado da vida atual

Sermão baseado na história do Livro de Rute
Observação: A quem honra, honra! Este texto chegou em minhas mãos, mas infelizmente não sei quem é o autor. É um dos tempos, em forma de novela-narrativa, mais lindos que já vive. Aproveite!

A pergunta mais profunda, mais abrangente e mais difícil que o homem tem que responder na época em que ele vive é “O que significa a vida?” Todos os dias estamos em contato com pessoas que trabalham para ganhar dinheiro, para levar comida para casa, para poder criar seus filhos que, por sua vez, vão crescer, enterrar os pais, trabalhar para ganhar a comida que precisam para ciar seus filhos e netos que continuarão nesta eterna mesmice. Vivem numa prisão de ocorrências que nunca muda, sem nenhuma perspectiva do controle da vida.

Foi assim para o povo de Israel na época dos juízes. O livro de Juízes ilustra 335 anos em que a coisa ia muito mal, mas eram justamente os anos em que Israel devia começar a usufruir da terra prometida. Agora, cada família tinha seu pedaço de terra. Ainda havia muito trabalho pela frente, mas o principal da conquista já tinha sido feito. Chegou o momento de tomar posse mostrando para o mundo que Deus cumpre sua promessa.

Juízes descreve a história do ponto de vista do fracasso. Há um ciclo que ocorre várias vezes no livro de Juízes: o povo cai na idolatria e, como punição, Deus envia uma opressão. O povo clama a Deus e Ele tem misericórdia e envia um libertador. Isso acontece vez após vez. Parece que não há saída.

É como em nossas vidas. Há certas horas em que somos levados a pensar que a vida consiste numa sucessão de pecado, conseqüência de pecado e libertação por Jesus. Ficamos cansados. Um enfado se apodera de nós. O escritor de Eclesiastes disse que não há nada de novo debaixo do sol, tudo é canseira e enfado. E é verdade que muitas vezes parece que não há nada que realmente vale a pena nesta vida.

Deus não nos permite pensar assim. Por isso o livro de Juízes não está sozinho no Antigo Testamento. Uma janela se abre no livro de Rute que nos ajuda a ver a vida como ela deve ser encarada. Trata-se duma história verídica que ocorre no período dos juízes durante os dias de Gideão.

Podemos encarar o livro de Rute como se fosse uma novela. Os quatro capítulos de Rute seriam os quatro capítulos da novela. Todos os acontecimentos do livro se interligam de uma maneira dinâmica, de maneira que é uma verdadeira aventura. Cada capítulo oferece uma explicação diferente para a vida.

Capítulo 1 – A vida é uma tragédia
O primeiro capítulo é muito triste. Veja só de que maneira pitoresca as Escrituras nos apresentam estes quadros! “Nos dias em que julgavam os guizes, houve fome na terra, e um homem de Belém de Judá saiu a habitar na terra de Moabe com sua mulher e seus dois filhos. Este homem se chamava Elimeleque, sua mulher Noemi; seus filhos Malom e Quiliom” (Rute 1.1-2).

Deixe-me traduzir um pouco essas palavras. Belém significa “casa de pão”. Elimeleque significa “Deus meu Rei”. Malom significa “doente” e Quiliom significa “a morte”. Por isso, se você fosse um hebreu, você iria ler a passagem assim, “havia um homem da ‘Casa de Pão’ que sai a habitar a terra de Moabe porque havia fome na terra da ‘Casa de Pão’. Este homem se chamava ‘Deus é meu Rei’ e morava na ‘Casa de Pão’. Como não tinha pão na ‘Casa de Pão’, ‘Deus é meu Rei’ pegou sua mulher e seus dois filhos, Malom e Quiliom, ‘Doente’ e ‘Morte’ e foram até Moabe. E chegando lá ‘Deus é meu Rei’ morreu. E o ‘Doente’ morreu e ‘Morte’ também”.

Esta é a situação: uma coisa ruim leva a outra pior. Noemi está enfrentando uma tragédia. Ela sai da terra, buscando algo melhor. Lá na outra terra perde o marido e os dois filhos. Não tem mais herança. Não tem mais quem cuide delas. Ela ouve dizer que na “Casa de Pão” voltou a ter pão. Quando resolve voltar, as duas noras resolvem acompanhá-la. Mas ela não acha certo: “Vocês não tem coisa alguma que prenda vocês a mim, vocês são jovens, vivam a vida, vão em frente”.

Orfa resolve voltar para casa, mas Rute diz aquelas palavras que nós conhecemos dos casamentos; “onde quer que fores, irei eu, e onde quer que pousares, ali pousarei eu; o teu povo é o meu povo, e o teu Deus é o meu Deus” (v. 16). Assim, Rute resolve prosseguir junto com a sogra.

Imagine aquela vila de Belém quando Rute e sua nora começa a caminhar na rua principal. De repente as mulheres da rua começam a olhar Noemi e dizem: “Olha, apesar das rugas eu acho que é Noemi. Seu cabelo está mais branco. Olha o seu rosto, ele está marcado. “Não é esta Noemi?” (v.19), perguntam as mulheres que a conheciam. “O que aconteceu?” E começam a espalhar murmurinho.

Todo mundo vai ao encontro de Noemi (v. 20). “Noemi, que prazer ver você! Benvinda! Quanto tempo! Como foi?” “Não me chamem Noemi. Noemi significa feliz. Esse nome não serve para mim, sabe. Agora podem me chamar “Mara”, porque grande amargura me tem dado o Todo-Poderoso. Ditosa eu parti, porém o Senhor me faz voltar pobre. Por que pois me chamais feliz, ou Noemi, visto que o Senhor se manifestou contra mim? Aí acaba o primeiro capítulo da nossa novela. Para Noemi a vida não passara de uma amargura e tragédia.

Aplicação:
Pois é, muitas vezes nessas horas nós também culpamos a Deus como fez Noemi: “O Todo-Poderoso me fez isso. Ele tirou a alegria e ele me deu amargura”. Eu me lembro de uma irmã em uma igreja que pastoreie. Parecia que vida dela realmente era uma tragédia. Sua casa foi assaltada duas vezes, teve um dos carros roubados. Depois perdeu o marido num desastre, num atropelamento sem lógica na frente duma igreja onde ele tinha ido assistir um casamento. Mais duas vezes foram assaltados em sua casa. Nessa hora a gente pergunta: “Será que a vida não passa de uma tragédia?” Para uns é pior, para outros é menos ruim, mas todos nós, de uma forma ou de outra, já vivemos uma tragédia.

Capítulo 2 – A vida é uma sucessão de acasos
Começa um novo dia. Elas tinha chegado sem nada e Noemi conhecia muito bem os costumes da terra: Em Israel havia uma provisão legal dando aos pobres o direito de ir aos campos na hora da colheita e recolher o necessário para passarem o dia. “Noemi”, disse Rute, “agora vamos dar um jeito em nossa vida. Vamos cuidar primeiro da nossa comida. Você vai sair e recolher um pouco de mantimento e trazer aqui para a gente”.

Ela se foi e chegou ao campo e apanhava com os segadores. Mas aí a Bíblia diz (v. 3) “por casualidade entrou na parte que pertencia a Boaz, o qual era da família de Elimeleque”. Veja só que interessante: de todos os campos que existem em Belém, ela entra por casualidade no campo de Boaz, que, por casualidade, era parente do marido de Noemi que tinha falecido. Também por casualidade, naquele dia Boaz veio de Belém dar uma olhada na colheita.

Boaz perguntou, “quem é essa moça aí?” Ele começou a ficar interessado. Disse Boaz: “Rute, quer saber duma coisa? Você veio aqui hoje por acaso, mas de agora em diante você é convidada oficial minha. Você tem todos os direitos aqui”.

Aqui percebemos como um homem de negócios como Boaz começou a fazer coisas estúpidas. O homem mais machão, mais sério, mais controlado, mais matemático, financista que existe, nestas horas perde a cabeça. Ele diz, “Você pega tudo o que você quiser. Eu já dei ordem aqui, ninguém vai tocar em você. Você tem todos os direitos”.

Não somente isso! Ele diz para os homens: “Olha, vocês pegam algumas espigas, jogam ali perto dela. Quando ela estiver colhendo que tenha o mínimo de trabalho possível”. Ele, um homem de negócios, está dizendo: “Vamos diminuir um pouco o lucro”.

No fim do dia, ela volta para casa. Um bando enorme de espigas de cevada e Noemi faz a primeira pergunta: “Onde você roubou tudo isso?”

“Eu não roubei. Por acaso eu entrei num campo, de um homem chamado Boás, que me permitiu trazer essas espigas. Ah, e tem mais, ele falou que é seu parente”. Nessa hora a sogra quase desmaia. “Ah, Boaz, né?”

Noemi começou a ter algumas idéias. Começou um romance. Fico impressionado de ver como a Bíblia é cuidadosa em colocar no versículo 3 as duas palavras “por casualidade”. Muita gente vê a vida como um processo do acaso. Alguns têm um pouco mais de sorte, outros têm um pouco menos. Rute seria uma dessas pessoas que foram aborrecidas pela vida, mas, no entanto, parece que as coisas vão começar a estar a favor dela.

Têm certas pessoas que não têm a mesma sorte. Tudo acontece errado. Elas vão para o lugar errado, parece que casam com a pessoa errada, e por fim, arrumam emprego errado. Mas sabe, é assim mesmo. Um tem sorte, outro não tem. Rute é o exemplo de alguém que teve sorte. A Bíblia dá a impressão, pela descrição aqui, que de fato a história é essa. A vida não é simplesmente uma tragédia, mas é uma sucessão de acasos.

Capítulo 3 – A vida é uma grande armadilha
Noemi sabia que Boaz era um solteirão. Aquele tipo que não casava. Todo o mundo era caidinho por ele, mas ele não se definia. E Noemi começava a ficar preocupada: “Se eu não fizer alguma coisa, não vai dar em casamento. Eu preciso de um herdeiro. Rute é jovem. Ela precisa casar. Ela precisa me dar um neto”. E Noemi começou a ter aquelas idéias normais de mulher que está querendo ser avó, ou mulher que está querendo tornar-se sogra.

— “Escuta Rute, nós vamos bolar um plano. Vamos fazer o seguinte: hoje você vai lá no campo”.

— “Ah, lógico. Eu vou sim. Inclusiva, já pus a roupa aqui”.

— “Não, não é bem assim. Você não vai agora, vai mais tarde”.

— “Mais Tarde? Mas agora é hora de colher”.

— “Não, você não está entendendo. Nós vamos fazer um negócio diferente dessa vez. Eu quero que você vá lá no seu baú e pega o seu vestido mais bonito. Lembra-se daquele que você usava lá em Moabe naquelas noites de lua cheia? Toma um bom banho. Eu quero que você fique linda, cheirosa. Capricha mesmo! E você vai sair de casa assim no final do dia. Provavelmente não vai dar tempo de vender cereais no mercado hoje. Boaz, que é o dono da colheita, vai ter que dormir lá para cuidar daquele montão de grãos. Você fica escondida até a hora em que ele estiver dormindo. Então vá e descubra os pés de Boaz. Acontece que ninguém agüenta ficar com o pé descoberto no clima da madrugada. Ele vai sentir frio, vai começar a tremer e vai levantar para se cobrir. Nessa hora, o que ele vai ver? Aquela visão monumental. Você vai estar ali sentada aos pés dele”.

Não há homem que resista a um plano como esse! Noemi tinha tudo preparado e Rute fez exatamente como ela tinha falado. De fato, Boaz não resistiu e pediu Rute em casamento.

Aplicação:
Aí termina o terceiro capítulo de nossa novela. Esta capítulo dá a impressão de que a vida é realmente uma grande armadilha, uma grande cilada. Quem for mais vivo, consegue mais. E olha, muita gente pensa assim: quem conseguir planejar o melhor bote fica com a melhor parte. A vida é dos sábios, dos espertos. Quem consegue enganar mais, sobe na vida. Quem é honesto e faz simplesmente o que deve fazer, não vai para frente. Você já não teve esse tipo de sentimento e pensamento passando por você?

Capítulo 4 – Deus controla as circunstâncias da vida
Havia um problema nas pretensões de Boaz. Boaz tinha todo direito dele continuar a descendência de Noemi, casando-se com Rute. Isso estava perfeitamente de acordo com a lei daqueles dias. Porém, havia um homem, cujo nome nós não sabemos, que era um parente mais próximo. Segundo costume da época, Boaz foi na prefeitura e colocou um cartaz bem grande de: “Vende-se um pedaço de terra que pertenceu à família de Noemi pelo preço de …”, e aí ele escreveu pequenininho, lá embaixo: “Quem comprar a terra leva como brinde a viúva Rute”. E lá então passa o parente mais próximo que tem direito. Boaz está com uma grande expectativa, esperando que ele leia a parte principal e não leia o P.S. O homem passa e se interessa. “Vamos ver quanto é”. Pegou a calculadora. Faz lá os seus cálculos. “Eu acho que tenho dinheiro para comprar a terra”.

Aí Boaz disse, “Mas você prestou atenção no brinde?”

“Não. Esposa fica muito caro. Pode ficar com tudo para você”. E assim foi que Boaz conseguiu o direito de casar com Rute.

A história aparentemente termina num chá de nenê (v. 13,14). Lá estão todas as mulheres da cidade. Uma delas tem uma ideia brilhante: “Vamos dar um nome ao filho de Boaz”. Pois este era o costume. E deram o nome de “Obede”. A mãe e o pai ficaram contentes e aceitaram o nome, porém um nome de muito significado. O nome significa “certo”.

A história acaba aí. Parece que acaba tudo bem, vivendo felizes por muitos anos. Mas a chave desse livro se encontra precisamente nos últimos versículos. Aqueles que a gente lê rapidamente e não se interessa. Há uma pequena genealogia aí. Veja os versículos 18 em diante. “São estas, pois, as gerações de Perez. Perez gerou a Hesrom, Hesrom gerou a Rão”.

Nessa altura você já pára porque os nomes são difíceis de ler. Mas vamos continuar. Vamos ser persistentes. “Rão gerou a Aminadabe, Aminadabe gerou a Naassom, Naassom gerou a Salmon, Salmon gerou a Boaz, Boaz gerou a Obede, Obede gerou a Jessé e Jessé gerou a Davi”. Tudo indica que há um Deus trabalhando. Muitas vezes através das tragédias, muitas vezes usando casualidades e, certamente, contando com diversas ciladas e armadilhas. Mas acima de tudo há um Deus em ação.

A história do ponto de vista bíblico e cristão é muito mais do que uma tragédia, do que o acaso. A história é providencial. Há um Deus controlando todos os acontecimentos. Ele não se deixa surpreender por uma tragédia, nem por um acaso, nem por uma armadilha.

Há muita gente hoje passando por tragédias, surpreendidas pelo acaso, ou caindo em armadilhas. Crentes das nossas igrejas. Talvez até nós mesmos. Mas nós podemos ter certeza que há um Deus por trás de tudo, desenvolvendo um tema que Ele conhece e levando a história a um fim que ele já determinou.

Na época dos juízes cada um fazia o que parecia melhor aos seus olhos. Deus, no entanto, estava preservando o plano eterno da redenção, de tal maneira que através de uma moabita, Ele suscitou o descendente que mais tarde seria o ancestral de Jesus Cristo. Esse é o nosso Deus, o Deus que controla a história.

Se Deus controla a história, consequentemente Ele também controla as nossas vidas. Não existe tragédia, circunstâncias, catástrofe, ciladas e armadilhas que possa barrar e impedir o amor de Deus em sua vida – até o mal que nos é feito, Deus pode transformá-lo em bem.
A grande lição que fica para todos nós neste novela é: Deus está no controle da nossa vida e da história.

– Você esta passando ou passou por uma tragédia? Deus está no controle de tudo!!!

– Você se sente eu já se sentiu abandonado(a) ao acaso? Deus está no controle de tudo!!!

– Você já foi ou está sendo aprisionado por uma armadilha? Deus está no controle de tudo!!!

O desafio de hoje é este: mesmo que você não entenda; mesmo que você não concorde; mesmo que você esteja sofrendo…você aceita e crê que Deus está no controle de tudo. E mais, você se submete a esse controle?

 http://www.sermao.com.br/sermoes/Antiga_novela_mostra_o_significado_da_vida_atual_/

A luta do cristão contra a carne

Algumas pessoas procuram olvidar o fato do combate do cristão com a carne. Encaram a regeneração como uma transformação completa ou renovação da velha natureza. Segundo este princípio segue-se, necessariamente, que o crente não tem nada com que lutar. Se a minha natureza é renovada, contra o que tenho de lutara Não há nada com que lutar no íntimo, visto que a minha velha natureza está renovada, e nenhum poder exterior pode prejudicar-me, porquanto não há nada que lhe corresponda no meu íntimo. O mundo não possui atrativos para aquele cuja carne foi inteiramente transformada, e Satanás não tem com que ou sobre que possa atuar. Pode dizer-se a todos aqueles que sustém esta teoria que parece esquecerem o lugar que Amaleque ocupa na história do povo de Deus. Tivesse Israel concebido a ideia que, uma vez destruídas as hostes do Faraó, o seu conflito havia acabado, e teriam sido tristemente confundidos quando Amaleque veio sobre eles. O fato é que o conflito deles começou só então. Assim é para o crente, porque…

… Tudo isto lhes sobreveio como figuras, e estão escritas para aviso nosso, 1 Co 10:11

Porém não poderia haver nenhuma “figura” nem “aviso” em “tudo isto” para aquele cuja velha natureza fosse feita de novo. Com efeito, uma tal pessoa teria muito pouca necessidade de qualquer dessas provisões graciosas que Deus preparou no Seu reino para aqueles que são os seus súbditos.

Somos ensinados claramente na Palavra de Deus que o crente traz consigo aquilo que corresponde a Amaleque, a saber “a carne” — “o homem velho“, a mente carnal (Rm 6:6; 8:7; Gl 5:17). Ora, se o cristão, sentindo os movimentos da sua velha natureza, começa por pôr em dúvida se é cristão, não somente se torna a si próprio extremamente infeliz como se priva das vantagens da sua posição diante do inimigo. A carne existe no crente e estará nele até ao fim da sua carreira. O Espírito Santo reconhece inteiramente a sua existência, como podemos ver em várias passagens do Novo Testamento. Em Romanos, capítulo 6:12, lemos:

Não reine, portanto, o pecado em vosso corpo mortal, para lhe obedecerdes em suas concupiscências.

Um tal preceito seria de todo descabido se a carne não existisse no crente. Seria inoportuno dizer-nos para não deixarmos que o pecado reinasse sobre nós, se o pecado não habitasse de fato em nós. Existe uma grande diferença entre habitar e reinar. O pecado habita no crente, porém reina no descrente.

Contudo, embora habite em nós, temos, graças a Deus, um princípio de poder sobre ele.

Porque o pecado não terá domínio sobre vós, pois não estais debaixo da lei, mas debaixo da graça, Rm 6:14

A mesma graça que, mediante o sangue da cruz, tirou o pecado, garante-nos a vitória e dá-nos poder sobre o seu princípio de ação em nós.

Morremos para o pecado, e por isso o pecado não tem reivindicações sobre nós. “Aquele que está morto está justificado do pecado”.

Sabendo isto: que o nosso velho homem foi com ele crucificado, para que o corpo do pecado seja desfeito, para que não sirvamos mais ao pecado, Rm 6:6-7

“E, assim, Josué desfez a Amaleque e a seu povo ao fio de espada”. Tudo foi vitória, e a bandeira de Jeová flutuou sobre as hostes triunfantes, tendo a formosa e acalentadora inscrição “Jeová-nissi”—”o SENHOR é minha bandeira”. A certeza da vitória deve ser tão completa como a compreensão do perdão, visto que as duas cosias são baseadas igualmente sobre o fato que Jesus morreu e ressuscitou. É no poder deste fato que o crente goza de uma consciência purificada e subjuga o pecado em si. A morte de Cristo havendo satisfeito todas as exigências de Deus quanto ao nosso pecado, a Sua ressurreição torna-se a origem de poder em todos os pormenores da luta. O Senhor morreu por nós e agora vive em nós. A sua morte dá-nos paz e a Sua ressurreição dá-nos poder.

Fonte: Série de Notas Sobre o Pentateuco por C.H. Mackintosh

Só observando!

O pastor de uma igreja decidiu observar as pessoas que entravam para orar.

A porta se abriu e um homem de camisa esfarrapada adentrou pelo corredor central.

O homem se ajoelhou, inclinou a cabeça, levantou-se e foi embora. Nos dias seguintes, sempre ao meio-dia, a mesma cena se repetia. Cada vez que se ajoelhava por alguns instantes, deixava de lado uma marmita.

A curiosidade do pastor crescia e também o receio de que fosse um assaltante, então decidiu aproximar-se e perguntar o que fazia ali.

O velho homem disse que trabalhava numa fábrica, num outro bairro da cidade e que se chamava Jim.

Disse que o almoço havia sido há meia hora atrás e que reservava o tempo restante para orar, que ficava apenas alguns momentos porque a fábrica era longe dali.

E disse a oração que fazia:

“Vim aqui novamente, Senhor, só pra lhe dizer quão feliz eu tenho sido desde que nos tornamos amigos e que o Senhor me livrou dos meus pecados. Não sei bem como devo orar, mas eu penso em você todos os dias. Assim, Jesus, hoje estou aqui, só observando.”

O pastor, um tanto aturdido, disse que ele seria sempre bem-vindo e que viesse à igreja sempre que desejasse.

“É hora de ir” — disse Jim sorrindo. Agradeceu e dirigiu-se apressadamente para a porta.

O pastor ajoelhou-se diante do altar, de um modo como nunca havia feito antes.

Teve então, um lindo encontro com Jesus.

Enquanto lágrimas escorriam por seu rosto, ele repetiu a oração do velho homem…

“Vim aqui novamente, Senhor, só pra lhe dizer quão feliz eu tenho sido desde que nos tornamos amigos e que o Senhor me livrou dos meus pecados. Não sei bem como devo orar, mas penso em você todos os dias.

Assim, Jesus, hoje estou aqui, só observando.”

Certo dia, o pastor notou que Jim não havia aparecido. Percebendo que sua ausência se estendeu pelos dias seguintes, começou a ficar preocupado. Foi à fábrica perguntar por ele e descobriu que estava enfermo.

Durante a semana em que Jim esteve no hospital a rotina da enfermaria mudou. Sua alegria era contagiante.

A chefe das enfermeiras, contudo, não pôde entender porque um homem tão simpático como Jim não recebia flores, telefonemas, cartões de amigos, parentes… Nada!

Ao encontrá-lo, o pastor colocou-se ao lado de sua cama. Foi quando Jim ouviu o comentário da enfermeira:

— Nenhum amigo veio pra mostrar que se importa com ele. Ele não deve ter ninguém com quem contar!!

Parecendo surpreso, o velho virou-se para o pastor e disse com um largo sorriso:

— A enfermeira está enganada, ela não sabe, mas desde que estou aqui, sempre ao meio-dia ELE VEM! Um querido amigo meu, que se senta bem junto a mim, Ele segura minha mão, inclina-se em minha direção e diz:

‘Eu vim só pra lhe dizer quão feliz eu sou desde que nos tornamos amigos. Gosto de ouvir sua oração e penso em você todos os dias.

Agora sou eu quem o está observando… E cuidando!’.

Jesus disse: “Se vós tendes vergonha de mim, também me envergonharei de vós diante do meu Pai”.

E se você não está envergonhado, passe essa mensagem adiante.

Jesus é sempre o melhor amigo. SORRIA, VOCÊ ESTÁ SENDO OBSERVADO(A)!

Envie para todos os amigos e família  que eles sejam infinitamente abençoado por Deus.

Amém!

(recebido via WhatSapp)

Em Gênesis está o fundamento das doutrinas

O GÊNESIS não foi redigido para escrever História, mas para dizer que Deus domina a História. Por isso, é essencialmente um livro de doutrina e de teologia.

No livro das origens, está, também, a origem da doutrina bíblica.

QUAIS OS TEMAS TEOLÓGICOS QUE SURGEM NO LIVRO DE GÊNESIS

A DOUTRINA DO HOMEM – ANTROPOLOGIA
1. Em Gênesis o homem é formado. Dele é revelada a origem, a razão de ser, a composição, a estrutura e a fragilidade.
2. Gênesis revela que toda a criação de Deus, ou seja, tudo o que foi criado, foi criado para e em função do homem, e o homem, por sua vez, foi criado para a glória do Seu Criador. Um erudito da língua grega aponta o fato de uma das palavra gregas traduzidas por “homem” ser uma combinação de palavras significando literalmente “aquele que olha para cima”, “aquele que olha para o seu criador”.
3. É em gênesis, também, que está revelado que o homem é composto por duas substâncias básicas, a substância física/material – corpo, e a substância imaterial – alma e espírito.

A DOUTRINA DO PECADO – HAMARTIOLOGIA
1. O livro de Gênesis mostra pela primeira vez o homem andando na contra-mão da vontade de Deus. Isto significa que Deus tem um plano original estabelecido por Sua soberana vontade. Por este plano os seres criados viverão na mais perfeita harmonia, saúde e paz. Andar na contra-mão deste plano é atribuir a Deus incapacidade de planejar e de gerenciar; é dizer que Ele não tem razão; que Ele está equivocado; que não é bem assim como Ele diz que é. Esta é a definição básica de pecado encontrada em Gênesis.
2. O problema é que quando você diz isto, de alguma forma, que Deus está errado, você está dizendo que o diabo está certo. Ao afirmar que o inimigo está certo, você automaticamente passa à sua dependência. Dizer não ao pecado é declarar dependência de Deus. Pecar é tornar-se dependente do diabo.
3. É por esta razão que o pecado se instala na natureza humana como um software se instala em um computador ou um aplicativo em um tablet ou smartfone, a partir de um clique de concordância, de um “enter”, de um “concordo”.

A DOUTRINA DA REDENÇÃO
1. Gênesis 3:15 é a semente de toda a história da redenção, é a introdução. Todo o restante da Bíblia é uma exposição deste versículo.

A DOUTRINA DO SURGIMENTO DO POVO DE DEUS NA TERRA
1. Apesar de ter sido Deus o criador de todas as coisas e do ser humano, Ele faz questão de deixar evidente que Ele tem um povo na terra.
> Levítico 20:24,26 – Em herança possuireis a sua terra, e eu vo-la darei para a possuirdes, terra que mana leite e mel. Eu sou o Senhor vosso Deus, que vos separei dospovos
1. Apesar de ter sido Deus o criador de todas as coisas e do ser humano, Ele faz questão de deixar evidente que Ele tem um povo na terra.
> Êxodo 8:1 – DEPOIS disse o SENHOR a Moisés: Vai a Faraó e dize-lhe: Assim diz o SENHOR: Deixa ir o meu meu povo, para que me sirva.
> Deuteronômio 7:6 – Porque povo santo és ao SENHOR teu Deus; o SENHOR teu Deus te escolheu, para que lhe fosses o seu povo especial, de todos os povos que há sobre a terra.
> 1 Crônicas 7:14 – Se o meu meu povo, que se chama pelo meu nome, se humilhar…

A DOUTRINA DA GRAÇA
1. O livro do Gênesis acentua em suas páginas a graça não merecida de Deus.
* Na criação do mundo, a graça manifestou-se na maravilhosa provisão que Deus fez para seus seres.
* Na criação do homem, a graça de Deus é representada como concedendo ao homem a imagem do próprio Deus.
* A graça de Deus manifesta-se ainda no dilúvio.
* Abraão é escolhido, não porque seja digno, e, sim, porque Deus é misericordioso.
* Em seu trato com os patriarcas, Deus demonstra profunda misericórdia: cada um deles recebe favores muito maiores do que merece.

CONCLUSÃO: Portanto, o livro das origens revela a origem de cada uma dessas doutrinas bíblicas que vão sendo tratadas com mais detalhes ao longo das Escrituras.

Conhecer o livro de Gênesis, é pois, fundamental para se conhecer toda a Bíblia. Sem o Gênesis, a Bíblia perderia completamente o sentido e o fundamento.

Em Cristo, Sandoval Juliano – 25.02.2013.

http://www.sandovaljuliano.com.br/site/bibliologia/42-comentario-biblico-antigo-testamento/774-em-genesis-esta-o-fundamento-das-doutrinas

Antropologia Bíblica

 

  1. INTRODUÇÃO

Etimologicamente, Antropologia significa ciência do homem; ciência que estuda o homem, suas obras e seu comportamento desde seu aparecimento sobre a Terra.

Homem do heb. Adam, gênero humano; do gr. anthropos, aquele que olha para cima; do lat. homo, originário de humus, chão, terraaquele que veio da terra. Ser racional composto de: espírito, alma e corpo (1ª Ts 5.23).

Essa ciência pode ser examinada de dois ângulos totalmente diferentes, a saber, o da filosofia humana e o mandamento da Bíblia. Razão por que a antropologia meramente humana distingue-se como ciência que estuda o homem do ponto de vista físico-somático e do ponto de vista histórico, sua origem e seus princípios.

Evidentemente, no estudo em foco, vamos destacar o homem segundo a Bíblia, por se tratar da doutrina da salvação. Portanto, iremos estudar cada tema e assunto à luz de cada texto e contexto.

E, neste vasto mundo de ideias, tomamos como fonte principal a Bíblia, a imortal Palavra de Deus.

  1. I A ORIGEM DO HOMEM

 

Gn 1.26-27: “Também disse Deus: Façamos o homem à nossa imagem, conforme a nossa semelhança; tenha ele domínio sobre os peixes do mar, sobre as aves dos céus, sobre os animais domésticos, sobre toda a terra e sobre todos os répteis que rastejam pela terra. 27 Criou Deus, pois, o homem à sua imagem, à imagem de Deus o criou; homem e mulher os criou”.

Gn 2.7: “E formou o Senhor Deus o homem do pó da terra, e soprou-lhe nas narinas o fôlego da vida; e o homem tornou-se alma vivente”.

A Bíblia nos apresenta um duplo relato da origem do homem, o primeiro relato está em Gênesis capítulo 1, versículos 26 e 27; e o segundo está no capítulo 2, versículos 7, 21-23, do mesmo livro. A primeira narrativa contém o relato da criação de todas as coisas na ordem em que ocorreu, enquanto que a segunda agrupa as coisas em sua relação com o homem, sem nada implicar com respeito à ordem cronológica do aparecimento do homem na obra criadora de Deus, e indica claramente que, tudo que o precedeu, serviu para preparar uma adequada habitação para o homem, como rei da criação. As Sagradas Escrituras nos mostra como o homem foi criado, rodeado pelo mundo animal, vegetal e como iniciou a sua história.

  1. Deus formou o homem do pó da terra.

Para formar o corpo do homem, Deus utilizou de matéria existente. Deus tomou o pó da terra e com ele modelou o ser que chamou de “homem”.

A frase hebraica que traduzimos como “pó da terra” é “apar min-hadamah”. APAR significa “poeira” e MIN-HADAMAH significa “do solo”. APAR é o mesmo nome usado na frase muito conhecida de Gênesis 3.19: “pois tu és pó e ao pó tornarás.

A expressão hebraica significa claramente “terra solta que encontramos no chão”.

O homem foi feito do pó da terra, sendo, portanto, da terra (Salmos 10.18). Seu corpo consiste dos elementos da terra, cujas exatas proporções são conhecidas. Segundo as melhores autoridades, foram encontrados 34 elementos químicos no corpo humano. Os principais são:

Oxigênio: 66,0 %.

Carbono: 17,5 %.

Hidrogênio: 10,2 %.

Nitrogênio: 2,4 %.

Cálcio: 1,6 %.

Fósforo: 0,9 %.

Potássio: 0,4 %.

Sódio: 0,3 %.

Cloro: 0,3 %.

Enxofre: 0,2 %.

Magnésio: 0,105 %.

Ferro: 0,005 %.

Há ainda outros elementos que, apesar de importantes, aparecem em quantidades bastante reduzidas. É o caso do manganês, cobalto, iodo, flúor, cobre, alumínio, níquel, bromo, zinco, silício e outros.

Todos estes elementos estão contidos na terra. É, portanto, estritamente e literalmente verdade que o homem é formado do pó da terra.

  1. O significado de Adão.

“Com o suor do seu rosto você comerá o seu pão, até que volte à terra, visto que dela foi tirado; porque você é pó e ao pó voltará” (Gn 3.19).

Segundo a Bíblia no Livro de Genesis, Adão e Eva foram o primeiro casal criado por Deus.

Adão (do heb. אדם relacionado tanto a adamá, solo vermelho ou do barro vermelho, quanto a adom, “vermelho”, e dam “sangue”) é considerado dentro da tradição judaica-cristã o primeiro ser humanos criado por Deus. Teria sido criado a partir da terra à imagem e semelhança de Deus para domínio sobre a criação terrestre.

  1. O homem como um ser físico.

O físico é o aspecto pelo qual o homem é melhor conhecido.

O homem é composto por: Cabeça; tronco e membros.

O corpo humano possui 13 elementos, sendo 8 sólidos e 5 gasosos.

  1. A criação do homem foi precedida por um solene conselho divino.

Antes de mencionar a criação do homem, Moisés nos leva a conhecer o conselho de Deus, relacionado à criação do homem nas seguintes palavras: “Façamos o homem à nossa imagem, conforme a nossa semelhança” (Gn 1.26).

  1. A criação do homem foi um ato imediato de Deus.

Algumas das expressões utilizadas na narrativa da criação do homem indicam que ela acontece de uma forma imediata, ao contrário do que aconteceu na criação dos demais seres e coisas criadas em geral. Observem as seguintes expressões:

Criou Deus a relva. “E disse Deus: Produza a terra relva, ervas que deem semente, e árvores frutíferas que deem fruto segundo a sua espécie, cuja semente esteja nele, sobre a terra. E assim foi…” (Gn 1.11).

Criou Deus a demais coisas. “Disse também Deus: Povoem-se as águas de enxames de seres viventes; e voem as aves sobre a terra, sob o firmamento dos céus” (Gn 1.20). “Disse também Deus: Produza a terra seres viventes, conforme a sua espécie: animais domésticos, répteis e animais selváticos, segundo a sua espécie. E assim se fez” (Gn 1.24-ARA) Compare estas expressões com a simples declaração:

“Criou Deus, pois, o homem” (Gn 1.27). Ele criou as várias espécies e então as deixou para que se desenvolvessem e propagassem segundo as leis do seu ser. Deus planejou a criação do homem, imediatamente o criou.

  1. O home foi criado segundo um tipo divino.

Com respeito aos demais seres vivos, tais como os peixes, aves do céus e dos seres marinhos inexistente na declaração da criação do homem. Isto é, Deus planejou a criação do homem e imediatamente a efetuou.

  1. O homem foi feito coroa da criação.

O homem é mostrado na Bíblia como alguém que está no ponto mais elevado de todas as coisas criadas por Deus. Foi coroado como rei da criação e recebeu o domínio sobre todas as criaturas. Como dominador, foi dever do homem fazer com que toda a natureza e todos os seres criados, que foram colocados sob o seu governo, servissem à sua vontade e ao seu propósito, para que ele e todos os seus gloriosos domínios, magnificassem o Todo-poderoso criador e Senhor do Universo (Gn 1.26-28; Sl 8.4-9).

  1. O s elementos da natureza humana se distingue.

Em Gênesis 2.7, vemos a distinção clara entre a origem da alma. O corpo foi formado do pó da terra, material preexistente. Na criação da alma, no entanto, não foi usado material preexistente, mas sim a formação de uma nova substancia. Isto quer dizer que a alma do homem foi usada uma nova criação de Deus.

A Bíblia diz que o Senhor soprou nas narinas do homem “…o folego de vida e o homem passou a ser alma vivente”. (Gn 2.7).

III.         QUE É O HOMEM

O patriarca Jó foi o primeiro dos homens mencionados na Bíblia a interrogar o homem.

“Que é o homem, para que tanto o engrandeças, e ponhas sobre ele o teu pensamento, 18 e cada manhã o visites, e cada momento o proves”? (Jó 7.17-18).

Depois foi a vez do salmista indagar: “Que é o homem, que dele te lembres?” (SI. 8.4), “Senhor, que é o homem para que dele tomes conhecimento? E o filho do homem para que o estimes?” (Sl. 144.3).

Se quisermos conhecer o homem, temos de ir além do que ensina a filosofia e as demais ciências humanas, temos de tomar posse das Escrituras, pois só elas respondem satisfatoriamente toda e qualquer indagação quanto ao passado, presente e futuro do homem.

Alguém definiu o homem nas seguintes palavras: “O homem é um embrulho postal que a parteira despachou ao coveiro”. A Bíblia fala acerca do homem como um ser cuja a existência física está limitada aos poucos anos que Deus lhe deu na terra.

  1. Os dias de um jornaleiro (Jó 7.1).
  2. Uma lançadeira (Jó 7.6).
  3. Uma sombra (Jó 8.9).
  4. Um corredor rápido (Jó 9.25).
  5. A extensão de alguns palmos (Sl 39.5).
  6. A urdidura de um tecelão (Is 38.12).
  7. A neblina passageira (Tg 4.14).

Pr. Elias Ribas

https://pastoreliasribas.blogspot.com.br/2016/01/antropologia.html

Louvar a Deus agora, sempre e eternamente

Um irmão e amigo da Assembleia de Deus, que dependia de um favor divino, resolveu fazer uma promessa pitoresca a Deus. Se o Senhor Todo-Poderoso lhe fosse propício e à sua causa impossível aos olhos humanos ele ia orar todos os dias das 5h às 6h no templo da sua igreja até o último dia da sua vida (ou até o arrebatamento).

O milagre aconteceu. Ele está há mais de dez anos adorando a Deus conforme o prometido. O período de oração tornou-se uma tradição no bairro. Muitos têm sido abençoados.

Esta manhã pensava sobre o assunto. Na verdade esse irmão apenas formalizou aquilo que deve ser natural na vida de todo ser humano que reconheça ou não a Deus como Criador, Senhor e Sustentador do Universo.

Homem do heb. Adam, gênero humano; do gr. anthropos, aquele que olha para cima; do lat. homo, originário de humus, chão, terraaquele que veio da terra. Ser racional composto de: espírito, alma e corpo (1ª Ts 5.23). | Blog Teologia em Foco – Pastor Elias Ribas

O gênero humano deve olhar para cima, ou seja adorar a Deus para ter e viver o significado da vida. Nesse sentido, o rei Davi expressa essa meta terrena e eterna do ser humano em um dos seus lindos  Salmos.

“Assim eu te bendirei enquanto viver; em teu nome levantarei as minhas mãos”,
Salmos 63:4 – Bíblia Versão Almeida Corrigida e Fiel

Certamente vou Te louvar durante toda a minha vida. Levanto as minhas mãos e oro a Ti, confiado em teu poder“, Salmos 63.4

José San Martín Camiña Neto, editor